Após deixar a Casa Branca, Barack Obama tem sido visto curtindo um esporte que teria sido vetado a ele durante a Presidência devido ao risco extremo: o kitesurfe. E se dedica a algo que também seria proibido para um governante: ganhar muito dinheiro muito rápido. Semanas atrás, veio a público o fato de que um fundo de investimento chamado Cantor Fitzgerald lhe pagou 400.000 dólares (1,3 milhão de reais) para dar uma conferência sobre saúde no próximo mês de setembro. Pouco antes, soube-se que ele e sua esposa, Michelle, tinham vendido suas memórias por cerca de 61 milhões de dólares (200 milhões de reais), segundo o Financial Times e outros jornais, embora tenham doado parte à sua fundação.

Previamente, e como descanso depois de oito anos de trabalho duro, muito duro, Obama saiu de férias passeando no iate do milionário David Geffer pela Polinésia Francesa – na companhia de celebridades como Tom Hanks e Oprah Winfrey – e praticando o desejado kitesurf com outro magnata, Richard Branson, dono da companhia aérea Virgin.

Alguns republicanos o criticaram, e os setores mais progressistas de seu partido também questionaram as milionárias quantias recebidas pelo ex-mandatário por seus discursos. “O presidente Obama é agora um cidadão normal e pode fazer o que quiser, mas me parece uma atitude pouco feliz. O ex-presidente da Goldman Sachs é o conselheiro econômico de Donald Trump, e agora isso. Me parece pouco feliz”, disse Bernie Sanders, rival de Hillary Clinton nas primárias democratas. “Mostra o poder de Wall Street e a influência das grandes fortunas na política.”

Compartilhe:
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

3 Responses to Curtindo a vida adoidado. Palestras de U$ 400 mil e férias com ricaços: as polêmicas do ex-presidente Obama

  1. Obama é uma pessoa pública e, para sempre representará seu país, queira ou não. É, portanto, fundamental que fique comprovados que as palestras foram dadas nas condições usuais de mercado, a preços de mercado e com o retorno esperado aos promotores. É igualmente importante que o conteúdo não denigra a imagem de seu país, governo ou povo, que a cada eventual crítica ao mercado seja motivada e acompanhada de proposta de solução. Convém que o assunto seja tratado de maneira genérica e posições ideológicas sejam contextualizadas.
    Lembremo-nos da lavagem de dinheiro e pagamento de propinas realizadas pelo ex-presidente Lula, e, poderemos que no caso de pessoas pública é fundamental que pareça honesta, não basta ser. E, para os desavisados, políticos e ex-políticos têm sim que dar satisfação de seus atos.

Deixe uma resposta